Repórter Guaibense

Notícias/Saúde

Casos de covid-19 em Guaíba crescem 1.208% em duas semanas, aponta Secretaria de Saúde

A cidade toda soma 12.454 que testaram positivo desde o início da pandemia

Casos de covid-19 em Guaíba crescem 1.208% em duas semanas, aponta Secretaria de Saúde
Pedro Molnar
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O casos de covid-19 em Guaíba cresceram 1.208% em duas semanas, segundo levantamento da Secretaria Municipal de Saúde. Enquanto a cidade registrava 34 testes positivos em 29 de dezembro, hoje são 458 que foram diagnosticados com a doença. 457 estão em isolamento domiciliar e um em recuperação no Hospital Nelson Cornetet.

A cidade toma 12.454 que testaram positivo desde o início da pandemia, em março de 2020, sendo que 350 moradores foram à óbitos por complicações da doença.

A maioria dos casos das pessoas que testaram positivo nesta semana apresenta sintomas leves, graças ao avanço da vacinação. 87,1% da população acima dos 12 anos tomaram a primeira dose ou a dose única, 80,4% estão imunizados com a segunda dose e 24,3% dos maiores de 18 anos estão com a dose de reforço.

 

O aumento de casos acontece em todo Rio Grande do Sul e no país devido as festas de fim de ano e variante ômicron, identificada primeiramente na África do Sul. Até este momento, o Rio Grande do Sul já teve a identificação de 255 casos confirmados ou sugestivos para essa linhagem em 34 municípios gaúchos, sendo dois em Guaíba, ou em visitantes ao RS testados aqui.

O Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) alerta para a importância de serem mantidas e reforçadas as medidas de prevenção: completar o esquema vacinal e a doses de reforço, uso de máscara e evitar aglomerações.

 

Redução do isolamento

Novas orientações quanto ao isolamento de pessoas com covid-19 foram apresentadas pela Secretaria da Saúde na reunião do Gabinete de Crise realizada na terça-feira (11). O prazo, que era de dez dias, pode agora ser reduzido para um mínimo de cinco dias, dependendo dos sintomas apresentados e da situação vacinal da pessoa. A medida é baseada nos últimos estudos sobre a doença divulgados internacionalmente. Também houve mudanças quanto às condutas previstas para as demais pessoas que residam com um caso positivo: se estiverem sem nenhum sintoma, não precisam mais permanecer juntas em isolamento.

Para pessoas com o diagnóstico  e que não tenham o esquema vacinal completo, o isolamento domiciliar continua em dez dias, contados a partir do início dos sintomas. Se a pessoa está com a vacinação em dia, o prazo será determinado após avaliação dos sintomas: cinco dias para quem não apresentar febre e sete dias para quem teve febre.

Comentários:

Veja também