Repórter Guaibense

Notícias/Geral

Temporal destruiu estrutura dos CTGs Caudilho Guaibense e República Rio-Grandense

"Estamos num misto de impotência e frustação, mas veemente vamos conseguir reerguer", diz patroa do CTG

Temporal destruiu estrutura dos CTGs Caudilho Guaibense e República Rio-Grandense
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O forte vendaval na tarde desta segunda-feira (18) resultou na demolição de dois Centros Tradições Gaúchas na Cohab e na Santa Rita. O Caudilho Guaibense e o República Rio-Grandense, de mais de 30 anos de cultura gaúcha, foram totalmente demolidos pelo vento de mais de 100 km/h que atingiu toda zona norte de Guaíba.

"Estamos num misto de impotência e frustação, mas veemente vamos conseguir reerguer. O República é casa do tio querido, que tem a história de ser um local muito acolhedor independente de sistema cultural, e é um lugar que quero que minha debute. Enquanto republicana que sou, independente do cargo que tenha, vou fazer de tudo para levantar de novo nosso galpão", diz a patroa do República Rio-Grandense, Ana Paula Gonçalves.

Ela conta que a estrutura física da entidade tradicionalista estava com problemas e que uma parte já havia sido tombada  antes mesmo desta tempestade. 

"Devidos os festejos farroupilhas no último ano conseguimos reerguer essa estrutura, mas já estávamos trabalhando para reestruturar nossa sede de mais de 30 anos. O que não passou pela nossa cabeça esse tombamento total, na chuva de ontem caiu total", lamenta. 

 

 

Segundo ela, a patronagem ainda está pensando como reerguer essa história de mais de três décadas com apoio da comunidade local, além do poder público.

O ex-patrão do CTG Caudilho Guaibense, Jairo Boneberguer, expressa o sentimento de tristeza depois da demolição dos telhados e paredes da entidade. A diretoria está entrando dentro da sede para conseguir retirar os materiais que sobraram porque o galpão ainda corre risco de desabamento. "Vamos fazer uma reunião da próxima semana para reestruturar nossa entidade. O Caudilho é forte, ser Caudilho é brigar muito, renascer das cinzas e continuar trabalhando em favor do tradicionalismo", diz.

 

"Enquanto republicana que sou, independente do cargo que tenha, vou fazer de tudo para levantar de novo nosso galpão"

Patroa do República Rio-Grandense, Ana Paula Gonçalves

Comentários:

Veja também