Repórter Guaibense

Notícias/Política

Justiça absolve o secretário de Bem-Estar Animal, Ale Alves, por tentativa de homicídio

Ele era acusado de tentar matar um homem, de 53 anos, em junho de 2014.

Justiça absolve o secretário de Bem-Estar Animal, Ale Alves, por tentativa de homicídio
Pedro Molnar
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O vereador licenciado e secretário de Bem-Estar Animal, Alessandro dos Santos Alves, foi absolvido do processo de tentativa de homicídio nesta terça-feira (21). Ale Alves, como conhecido, era acusado de pretender matar um homem, de 53 anos, em junho de 2014.

Segundo o advogado Raccius Potter, a defesa obteve êxito em demonstrar aos jurados de que Alves agiu em legítima defesa naquela ocasião. "A nossa tese foi a que os jurados acolheram, de mostrar que Ale Alves não tentou matá-lo mas, sim, tentou se defender de um ataque. Então quem teve culpa pelo ocorrido foi aquele que justamente acusou o cliente por tentativa de homicídio", explica.

O processo tramitava desde 2016, sendo que o julgamento demorou seis anos para acontecer, muito em virtude da pandemia. O sessão iniciou às 7h30 da manhã e seguiu até cerca de 19h30, durando mais ou menos 12 horas, sendo ouvido testemunhas, a vítima, o réu, o Ministério Público e o conselho de sentença que votou pela absolvição. 

"Ou seja, ele é um homem livre porque ele agiu em legitima defesa e isto está legitimado, chancelado, contemplado e aceito pelo corpo de jurados como o que realmente aconteceu e é o que nós acreditamos", afirmou o advogado.

O secretário gravou um vídeo nas redes sociais após o julgamento, e disse que era acusado por meia dúzia na cidade de cometer o crime. Ele abordou que pessoas sabiam de sua inocência e divulgaram para toda a cidade sobre sua ida à jurí popular. 

"Todo mundo sabia que ia a jurí popular, mas esses covardes que não disseram a verdade não tiveram a coragem e não foram homens capazes de dizer o porque estava acontecendo isto em minha vida. Somente restava para mim comprovar a minha inocência", disse.

Comentários:

Veja também