Repórter Guaibense

Notícias/Cultura

Sarau de poesias comemora 7 anos do grupo Café com Letras

O evento ainda contou com a presença do escritor Altair Martins

Sarau de poesias comemora 7 anos do grupo Café com Letras
Pedro Molnar
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Depois de dois anos, devido a pandemia de coronavírus, o grupo Leia Logo retornou as atividades com o tradicional sarau de poesias. O evento no último sábado (22) o espaço Sol Nascente, no centro de Guaíba, comemorou 7 anos de aniversário do grupo de poetas e escritores que dedicam parte de suas vidas à literatura.

O evento ainda contou com a presença dos escritores Altair Martins, ex-patrono da Feira do Livro de Guaíba; Guilherme Lessa Bica, autor da obra "Labirinto"; a Liane Tonelotto, de "Todos os poemas de amor que eu fiz com você"; e dos autores da coletânea de poesias "Entre amarras e nós", lançado pelo grupo em 2019.

Os participantes pronunciaram poesias e textos elaborados pelos escritores da cidade e de livros dos mais renomados letristas, como Érico Veríssimo, Mário Quintana e Eduardo Hughes Galeano.

"O Mário Quintana e o Galeano tem haver um pouco com a história do Café com Letras. É coisa curiosa, mas sabemos o porque. Eles sempre foram lidos nos nossos sarais de poesia do Café com Letras, dificilmente tem um evento que eles não apareçam de uma certa forma. Então resolvi trazer eles para cá, hoje, para justamente lembrar esse autores que estão muito marcados com a nossa história. O Quintana dispensa do porque, um dos maiores poetas do Rio Grande do Sul", explica o coordenador Thomas Cobain.


A Burocracia/3 – Eduardo Galeano

Sixto Martínez fez o serviço militar num quartel de Sevilha.

No meio do pátio desse quartel havia um banquinho. Junto ao banquinho, um soldado montava guarda. Ninguém sabia por que se montava guarda para o banquinho. A guarda era feita por que sim, noite e dia, todas as noites, todos os dias, e de geração em geração os oficiais transmitiam a ordem e os soldados obedeciam. Ninguém nunca questionou, ninguém nunca perguntou. Assim era feito, e sempre tinha sido feito.

E assim continuou sendo feito ate que alguém, não sei qual general ou coronel, quis conhecer a ordem original. Foi preciso revirar os arquivos a fundo. E depois de muito cavoucar, soube-se. Fazia trinta e um anos, dois meses e quatro dias, que um oficial tinha mandado montar guarda junto ao banquinho, que fora recém-pintado, para que ninguém sentasse na tinta fresca.

 

 

Segundo Cobain, a ideia do Café com Letras é divulgar melhor as suas atividades para haver futuramente outras pessoas que sejam multiplicadoras e que possam levar o nome do Café com Letras para outras regiões da cidade.

Comentários:

Veja também