Repórter Guaibense

Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Notícias/Educação

Depois de cinco meses, cerca de 90 alunos voltam para a escola Otaviano Manoel de Oliveira Júnior

Duas turmas de 8º e 9º ano estavam temporariamente no colégio Cônego Scherer

Depois de cinco meses, cerca de 90 alunos voltam para a escola Otaviano Manoel de Oliveira Júnior
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Cerca de 90 estudantes da escola estadual Otaviano Manuel Júnior retornaram à instituição nesta segunda-feira (17), após duas salas de aulas serem interditadas no início do ano. Duas turmas de 8º e 9º ano do ensino fundamental estavam temporariamente no colégio Cônego Scherer, no Parque 35. 

O retorno acontece graças ao trabalho de fuzileiros da Marinha do Brasil que entregaram a escola para comunidade, depois que foi parcialmente atingida pelas enchentes do mês de maio. A direção realizou uma organização dos espaços administrativos cedendo parte do refeitório e da sala dos professores para salas provisórias, conforme a diretora Janaína Marinho Cardoso Dias. Para ela, o retorno dos alunos para escola significa o fortalecimento da sensação de pertencimento e identificação escolar. 

"A escola é a onde a maioria frequenta desde o primeiro ano, então pra nossa comunidade é um retorno muito feliz e de minha alegria para a convivência melhor entre todos. Embora que a escola Cônego fosse maravilhosa e excelente, nos acolhendo de uma forma ímpar, para o melhor gerenciamento, logística e desenvolvimentos de projetos e atividades a importância desse retorno é muito grande", afirma.

Leia Também:

As duas salas seguem interditadas devido às chuvas intensas e ao excesso e umidade. O assoalho estava apresentando instabilidade, sendo necessária a realização de uma avaliação técnica.

O laudo apontou problemas na escola especialmente na rede elétrica, em sanitários e também cita o pavimento das salas de aula. "[..] Quanto às salas interditadas, acredito que faz tempo que o piso está problemático, fizemos uma vistoria e optamos pela interdição, exatamente para a proteção dos alunos e funcionários", afirmou o então coordenador da 12ª Coordenadoria Regional de Obras Públicas, Dirk Marinho de Werk, em fevereiro deste ano.

Comentários:

Veja também