Repórter Guaibense

Notícias/Especial

Greve dos professores, vice-governador em Guaíba e mais notícias que foram destaques em julho

As principais notícias do Repórter Guaibense estão na Retrospectiva 2021

Greve dos professores, vice-governador em Guaíba e mais notícias que foram destaques em julho
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Greve dos professores

Por 58% a 42% em assembleia virtual, professores da rede municipal decidiram entrar em greve geral. Eles se posicionaram contrários ao retorno das atividades presenciais, previstas para começarem naquela semana, por entenderem que não há suficiente segurança sanitária e que a maioria da categoria não tomou ainda a segunda dose da vacina contra covid-19. 

 

Vice-governador em Guaíba

O vice-governador e secretário de Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, esteve em Guaíba em 14 de julho. Ele apresentou na Câmara de Vereadores os dados da implementação do programa RS Seguro na cidade afim de reduzir os índices de violências dentro da cidade, que registra altos números de violência contra mulher e é a 15ª em casos de abuso sexual infantil no estado.

 

300 mortes

Em quase um ano e meio de pandemia, Guaíba atingiu a marca de 300 mortes por covid-19 em 16 de julho.


Guarda Municipal em pauta

A implementação de Guarda Municipal em Guaíba foi tema de audiência pública em 22 de julho na Câmara de Vereadores. A pauta é defendida principalmente por vigilantes patrimoniais que procuram que a categoria seja transformada em um órgão de segurança pública.


Frio intenso

Com frio intenso na última semana de julho, a prefeitura de Guaíba ampliou o atendimento no Albergue para receber a população de rua. Funcionários ainda fizeram rondas diurnas e noturnas em abordagem a pessoas para ofertar o serviços hospedagem gratuita ou distribuir lanches quentes e cobertores para aquelas que queiram permanecer nas ruas.


Greve suspensa

O Tribunal de Justiça mandou que professores da rede municipal retornem seus trabalhos de ensino presencial em até 24 horas e suspendeu da greve sanitária da categoria que durava aproximadamente 15 dias. Em decisão publicada em 20 de julho, o desembargador Eduardo Uhlein reconheceu o movimento grevista como abusiva por as reinvindicações serem consideradas inviáveis.

 

Comentários:

Veja também